Paraíba – Deputados 1827 – 1899 – 1ª parte

Artigos Genealógicos

Representação da Paraíba do Norte na Câmara dos Deputados de 1821 a 1900

Carlos Eduardo Barata

Parte I
1821-1860

DEPUTADOS ÀS CORTES PORTUGUESAS -182l-1822

José da Costa Cirne
Padre Católico. Revolucionário de 1817, sendo preso e encarcerado até 1821. Deputado às Cortes Portuguesas, em 1821 (13.07.1822 a 04.11.1822 – era suplente).

Francisco de Arruda Camara
Imperialista. Deputado às Cortes Portuguesas, pela Paraíba, em 1821. Foi pai do Marechal Francisco de Arruda Câmara, que lutou na Guerra dos Farrapos.

Francisco Xavier Monteiro da Franca
Nascido a 15.06.1773, na Paraíba, onde faleceu a 16.06.1851. Advogado provisionado. Capitão-Mor. Deputado às Cortes Portuguesas, pela Paraíba, em 1821 (de 04.02.1822 a 04.11.1822) e Deputado à Assembléia Geral pela Paraíba, na 1.ª Legislatura, de 08.05.1826 a 03.09.1829. Deputado Provincial da Paraíba, na 2.ª Legislatura, de 1838 a 1839 – instalada a primeira sessão legislativa em 24.06.1838. Presidente da Assembléia Legislativa da Paraíba, em 1838. Presidente da Província da Paraíba, de 07.09.1840 a 03.05.1841.
Pai de:
I-1. Francisca Monteiro da Franca, esposa do barão de Maraú, José Teixeira de Vasconcelos [1795-1873]

Virginio Rodrigues Campello.
Sacerdote. Nasceu em 1770, na freguesia da Várzea, Recife, Pernambuco, e faleceu em 1836, no Engenho Brum, no mesmo quarto em que nasceu, e foi sepultado na capela de Nossa Senhora das Dores, da Matriz da Várzea. Ordenou-se no Rio de Janeiro, mas celebrou sua primeira missa na capela do Engenho São Braz, no Cabo de Santo Agostinho. Era Vigário de Campina Grande quando estourou a Revolução de 1817. Foi preso e encarcerado até 1821. Deputado às Cortes Portuguesas, pela Paraíba, em 1821 – não tomou posse e pediu dispensa, teve o seu diploma aprovado. Condecorado com a Ordem de Cristo. (Fernando Pio – Apontamentos Biográficos do Clero Pernambucano, 1535-1935, Volume I).

1.ª ASSEMBLÉIA CONSTITUINTE  – 1823

Augusto Xavier de Carvalho
Bacharel em Ciências Jurídicas e Sociais. Deputado à 1.ª Assembléia Constituinte, pela Paraíba, em 1823. Deputado à Assembléia Geral, pela Paraíba, nas 1.ª e 2.ª Legislaturas, respectivamente, de 08.05.1826 a 03.09.1829, e de 03.05.1830 a 06.10.1833.

Joaquim Manuel Carneiro da Cunha
Faleceu entre 1850-1852. Filho de João Carneiro da Cunha, Sargento Mor de Igarassú, e de Maria Sancha da Graça e das Mercês do Rosário. Revolucionário de 1817, sendo preso e encarcerado até 1821. Deputado à 1.ª Assembléia Constituinte, pela Paraíba, em 1823. Em 1824 assinou o manifesto contra a dissolução da Constituinte, documento que deflagrou a Confederação do Equador. Deputado à Assembléia Geral, pela Paraíba, nas 2.ª, 5.ª e 8.ª Legislaturas, respectivamente, de 03.05.1830 a 06.10.1833, de 01.01.1843 a 24.05.1844, e 01.01.1850 a 04.09.1852. Deputado Provincial da Paraíba, na 2.ª Legislatura, de 1838 a 1839 – instalada a primeira sessão legislativa em 24.06.1838.

José Ferreira Nobre
Deputado à 1.ª Assembléia Constituinte, pela Paraíba, em 1823.

José da Cruz Gouvêa
Natural da Paraíba. Revolucionário de 1817, escapando da prisão, exilando-se na Inglaterra até 1821. Deputado à 1.ª Assembléia Constituinte, pela Paraíba, em 1823

Virginio Rodrigues Campello.
Sacerdote – citado acima, como Deputado às Cortes Portuguesas de 1821-1822.

1.ª LEGISLATURA – 1826 – 1829

Augusto Xavier de Carvalho
Bacharel – citado acima, como Deputado à 1.ª Assembléia Constituinte.

Amaro de Barros de Oliveira Lima
Padre. Deputado à Assembléia Geral, pela Paraíba, na 1.ª Legislaturas, de 08.05.1826 a 03.09.1829. Deputado Provincial da Paraíba, na 2.ª Legislatura, de 1838 a 1839 – instalada a primeira sessão legislativa em 24.06.1838. Deputado Provincial da Paraíba, na 4.ª Legislatura, de 1842 a 1843.

Francisco Xavier Monteiro da Franca
Citado acima, como Deputado às Cortes Portuguesas de 1821-1822.

Francisco José Corrêa
Deputado à Assembléia Geral, pela Paraíba, na 1.ª Legislaturas, de 08.05.1826 a 03.09.1829.

Galdino da Costa Villar.
Padre e monarquista. Comandou ao lado do Capitão Costa Ramos, a resistência armada aos revolucionários republicanos separatistas de 1824, que, através do sertão paraibano, tentavam chegar na Província do Ceará. Deputado à Assembléia Geral, pela Paraíba, na 1.ª Legislaturas, de 08.05.1826 a 03.09.1829. Presidente da Província da Paraíba, de 18.07.1821 a 11.1822; e de 16.01.1832 a 28.10.1832.
Nota: A Polícia Militar da Paraíba foi criada com a denominação de Corpo de Guardas Municipais Permanentes, em 03.02.1832, através de uma Resolução do Conselho Presidencial da Paraíba, sob a presidência do Padre Galdino da Costa Villar.

2.ª LEGISLATURA -1830 – 1833

Augusto Xavier de Carvalho
Bacharel – citado acima, como Deputado à 1.ª Assembléia Constituinte.

Francisco de Souza Paraíso
Nascido na Bahia em 1793, e falecido a 13.05.1843, no Rio de Janeiro. Filho de Francisco de Souza Paraíso e de Ana do Sacramento. Matriculado no curso de Direito da Universidade de Coimbra, a 09.10.1813. Fez sua leitura de bacharel em 1818. Magistrado. Juiz de Fora da Vila de Penedo, em Alagoas. Juiz de Fora da Paraíba do Norte. Provedor da Fazenda, dos Defuntos e Ausentes, Resíduos e Capelas  da Paraíba do Norte. Ouvidor da Comarca de Ilhéus. O Decreto de 19.09.1833, aprova a sua aposentadoria concedida por Decreto de 05.04..1833, e Resolução de Consulta de 07.07.1827, do cargo de Tesoureiro da Alfândega da Cidade da Bahia, com o seu ordenado por inteiro. Provedor da Santa Casa de Misericórdia. Desembargador do Tribunal da Relação. Deputado à Assembléia Geral, pela Paraíba, na 2.ª Legislatura, de 03.05.1830 a 06.10.1833. Senador do Império pela Paraíba, de 28.04.1838 a a 13.05.1843 – data do falecimento. Presidente da Província da Bahia, de 16.03.1836 a 18.11.1837.

Bernardo Lobo de Souza
Falecido entre 1834 e 1837. Deputado à Assembléia Geral, pela Paraíba, na 2.ª Legislatura, de 03.05.1830 a 06.10.1833; e na 3.ª Legislatura, de 03.05.1834 a 15.10.1837.   Presidente da Província do Pará, de 04.12.1833 a 96.01.1835.

Gabriel Getúlio Monteiro de Mendonça
Nascido no Mato Grosso, e falecido em 1850, no Rio de Janeiro. Deputado à Assembléia Geral, por Mato Grosso, na 1.ª Legislatura, de 08.05.1826 a 03.09.1829. Deputado à Assembléia Geral, pela Paraíba, na 2.ª Legislatura, de 03.05.1830 a 06.10.1833. Deputado à Assembléia Geral, por Minas gerais, na 6.ª e 7.ª Legislaturas, respectivamente, de 01.01.1845 a 18.09.1847, e de 03.05.1848 a 05.10.1848. Presidente da Província da Paraíba de 12.02.1828 a 05.08.1830. Presidente da Província do Espírito Santo de 30.12.1830 a 27.11.1831.

Joaquim Manuel Carneiro da Cunha
Citado acima, como Deputado à 1.ª Assembléia Constituinte de 1823.

3.ª LEGISLATURA -1834 – 1837

José Maria Ildefonso Jacome da Veiga Pessôa
Natural do Pilar, Paraíba. Militar. Revolucionário de 1817, sendo preso e encarcerado até 1821. Vice-Presidente da Província do Piauí. Deputado à Assembléia Geral, pela Paraíba, na 3.ª, 4.ª e 5.ª Legislaturas, respectivamente, de 03.05.1834 a 15.10.1837, de 03.05.1838 a 21.11.1841 e de 01.01.1843 a 18.02.1843.

José da Costa Machado
Coronel. Deputado Provincial da Paraíba, na 4.ª Legislatura, de 1842 a 1843. Deputado Provincial da Paraíba, na 5.ª Legislatura, de 1844 a 1845. Deputado Provincial da Paraíba, na 7.ª Legislatura, de 1848 a 1849. Deputado Provincial da Paraíba, na 9.ª Legislatura, de 1852 a 1853.

João de Albuquerque Maranhão
Deputado à Assembléia Geral, pela Paraíba, na 3.ª Legislatura, de 03.05.1834 a 15.10.1837. Presidente da Província da Paraíba, de 16.03.1848 a 11.05.1848. Deputado Provincial da Paraíba, na 6.ª Legislatura, de 1846 a 1847.

Bernardo Lobo de Souza
Citado acima, como Deputado à 2.ª Legislatura.

Antonio da Cunha Vasconcelos.
Eclesiástico. Nascido em 1793, na Paraíba, e falecido em 25.05.1868, no Rio de Janeiro. Deputado à Assembléia Geral, pela Paraíba, na 3.ª Legislatura, de 03.05.1834 a 15.10.1837. Senador do Império, pela Paraíba, de 1836 e 25.05.1868.

Tendo falecido Bernardo Lobo de Souza e sendo escolhido senador Antonio da Cunha Vasconcelos, substituiram-nos:

João Ribeiro de Vasconcelos Pessoa
Natural da Paraíba. Deputado Provincial da Paraíba, na 1.ª Legislatura, de 1835 a 1836, cuja sessão de instalação teve lugar no dia 07.04.1835. Deputado à Assembléia Geral, pela Paraíba, na 3.ª Legislatura, de 03.05.1834 a 15.10.1837. Deputado Provincial da Paraíba, na 2.ª Legislatura, de 1838 a 1839 – instalada a primeira sessão legislativa em 24.06.1838.

Domingos Alvares Vieira
Padre. Nascido em Goiana, batizado a 22.10.1795. Filho de José Alvares Vieira e de Francisca Lourenço. Ordenou-se em Olinda. Foi vigário no Ceará e lente do Liceu da Paraíba. Deputado Provincial da Paraíba, na 1.ª Legislatura, cuja sessão de instalação teve lugar no dia 07.04.1835. Deputado à Assembléia Geral, pela Paraíba, na 3.ª Legislatura, de 03.05.1834 a 15.10.1837. Depois de ter sido deputado pela Paraíba voltou a Goiana de onde foi vigário durante muitos anos. Foi Conselheiro do Governo de Manuel de Carvalho. Ainda vivia em 1849. (Fernando Pio – Apontamentos Biográficos do Clero Pernambucano, 1535-1935, Volume II).

4.ª LEGISLATURA -1838-1841

Frederico de Almeida e Albuquerque
Nascido na Paraíba, e falecido em 08.07.1879, no Rio de Janeiro. Bacharel em Direito. Deputado Provincial da Paraíba, na 1.ª Legislatura, de 1835 a 1836, cuja sessão de instalação teve lugar no dia 07.04.1835. Presidente da Assembléia Legislativa da Paraíba, em 1836. Deputado Provincial da Paraíba, na 4.ª Legislatura, de 1840 a 1841 – instalada a primeira sessão legislativa em 01.10.1840. Deputado à Assembléia Geral, pela Paraíba, na 4.ª, 8.ª e 9.ª Legislaturas, respectivamente, de 01.01.1843 a 24.05.1844; de 01.01.1850 a 04.09.1852; e de 03.05.1853 a 07.05.1856. Senador do Império, pela Paraíba, de 27.04.1857 a 08.07.1879 – data de seu falecimento. . Presidente da Província da Paraíba, de 04.04.1851 a 08.05.1851; de 07.10.1853 a 22.10.1853; de 24.10.1870 a 13.04.1871; e de 1871 a 23.04.1872. Presidente da Província do Piauí, de 01.12.1855 a 09.06.1857. Presidente da Província de Pernambuco, de 05.11.1869 a 23.10.1870. Presidente da Província do Maranhão, de 0302.1876 a 17.12.1876

José Maria Ildefonso Jacome da Veiga Pessôa
Citado acima, como Deputado à 3.ª Legislatura.

João Coelho Bastos
Nascido em 1832, em João Pessoa, Paraíba, e falecido em 1893, no Rio de Janeiro. Bacharel em Direito pela Faculdade de São Paulo. Juiz de Direito em Alagoas e no Rio de Janeiro. Desembargador na Província do Grão-Pará, em 1883. Chefe de Polícia do Rio de Janeiro, em 1885. Deputado Provincial da Paraíba, na 1.ª Legislatura, de 1835 a 1836, cuja sessão de instalação teve lugar no dia 07.04.1835. Deputado Provincial da Paraíba, na 2.ª Legislatura, de 1838 a 1839 – instalada a primeira sessão legislativa em 24.06.1838. Deputado à Assembléia Geral, pela Paraíba, na 4.ª, 6.ª e 7.ª Legislaturas, respectivamente, de 03.05.1838 a 21.11.1841; de 01.01.1845 a 18.09.1847; e de 03.05.1848 a 05.10.1848. Escravocrata convicto (Marcus Odilon, Pequeno Dicionário de fatos e vultos da Paraíba].

João José Ferreira da Costa
Deputado à Assembléia Geral, pela Paraíba, na 4.ª Legislatura, de 03.05.1838 a 21.11.1841

Trajano Alipio de Holanda Chacon Cavalcanti de Albuquerque
Nascido em Areia, Paraíba, onde foi assassinado, em 05.08.1849.  Bacharel em Direito pela Academia de Olinda, na turma de 1835. Deputado à Assembléia Geral, pela Paraíba, na 4.ª Legislatura, de 03.05.1838 a 20.10.1838. Deputado Provincial da Paraíba, na 4.ª Legislatura, de 1842 a 1843. Deputado Provincial da Paraíba, na 5.ª Legislatura, de 1844 a 1845.

5.ª LEGISLATURA -1843-1844

Pedro Rodrigues Fernandes Chaves
Nascido em 27.04.1810, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, e falecido a 23.01.1866, em Pisa, Itália. Filho de Antônio Rodrigues Fernandes Braga [24.08.1774, Braga – 09.03.1839, Rio de Janeiro, RJ], e de Ana Joaquina da Silva Chaves [05.11.1788, Rio Grande, Rio Grande do Sul – 12.06.1810, ídem] – fundadores do duplo sobrenome: Fernandes Chaves. Bacharel em Direito pela Faculdade de São Paulo, em 1832. Diplomata. Juiz de Direito no Rio Grande do Sul. Encarregado dos Negócios do Brasil em Montevidéu [1838] e Ministro Plenipotenciário nos Estados Unidos. Juiz de Fora em Rio Grande, e Juiz de Direito em Porto Alegre. Desembargador da Relação do Rio Grande do Sul [1843].
e presidente da Província da Paraíba [1841]. Deputado provincial pelo Rio Grande do Sul  [1843]. Deputado à Assembléia Geral pela Paraíba na 5.ª, 7.ª e 8.ª legislatura, respectivamente, de 19.02.1843 a 24.05.1844, de 03.05.1848 a 05.10.1848, e de 01.01.1850 a 04.09.1852. Presidente da Província da Paraíba, de 04.05.1841 a 13.03.1843, em cuja administração, no ano de 1841, sofreu um atentado. Senador do Império pelo Rio Grande do Sul, de 11.05.1853 a 23.06.1866 – data do falecimento. Vice-presidente do Senado, de 04.05.1862 a 03.05.1863. Membro do Partido Conservador.  Cavaleiro da Ordem de Cristo. Cavaleiro da Ordem da Rosa. Agraciado com o título [14.03.1855] de barão com as honras de grandeza de Quaraim.
Deixou geração do seu cas., a 31.05.1834, em Porto Alegre, RS, com Maria José Machado, nascida a 11.12.1819, no Rio Grande do Sul, e falecido a 11.02.1878, em Friburgo, Rio Grande do Sul – baronesa de Quaraim, por seu casamento (Dicionário das Famílias Brasileiras, Barata & Cunha Bueno, Tomo I, Volume I, verbete Fernandes Chaves).
Pais de:
I-1. Paulino Rodrigues Fernandes Chaves
I-2. Pedro Rodrigues Fernandes Chaves
I-3. Alzira Rodrigues Fernandes Chaves, nascida em São Paulo – SP, e falecida em 09.11.1911, em Paris – França. Com geração.
I-4. Antonio Rodrigues Fernandes Chaves, nascido em 20.04.1839¸ em Montevidéu, Uruguai, e falecido em 30.07.1902, em Niterói, estado do Rio de Janeiro. Com geração.
I-5. Alfredo Rodrigues Fernandes Chaves, nascido em 16.01.1844, no Rio de Janeiro¸e falecido em 16.05.1894, na Fazenda Santa Rita, em Aparecida, RJ – Conselheiro. Com geração.
I-6. Maria José Rodrigues Fernandes Chaves, nascida em 19.08.1845¸ no Rio de Janeiro, onde faleceu em 18.08.1876. Com geração.

Frederico de Almeida e Albuquerque
Citado acima, como Deputado à 4.ª Legislatura.

Francisco de Assis Pereira da Rocha Junior
Falecido entre 1853 e 1856. Magistrado. Presidente da Província da Paraíba de 05.03.1827 a 1828. Deputado Provincial da Paraíba, na 1.ª Legislatura, de 1835 a 1836, cuja sessão de instalação teve lugar no dia 07.04.1835. Deputado Provincial da Paraíba, na 2.ª Legislatura, de 1838 a 1839 – instalada a primeira sessão legislativa em 24.06.1838. Deputado Provincial da Paraíba, na 4.ª Legislatura, de 1840 a 1841 – instalada a primeira sessão legislativa em 01.10.1840. Deputado à Assembléia Geral pela Paraíba na 5.ª, 8.ª e 9.ª  legislatura, respectivamente, de 19.02.1843 a 24.05.1844, de 01.01.1850 a 04.09.1852, e de 03.05.1853 a 12.09.1854.

Joaquim Manuel Carneiro da Cunha
Citado acima, como Deputado à 1.ª Assembléia Constituinte.

Antonio José Henriques
Nascido em 1805, na Paraíba, onde faleceu em 1895. Bacharel em Ciências Jurídicas e Sociais pela Academia de Olinda, na turma de 1833, e Funcionário Público. Deputado Provincial da Paraíba, na 2.ª Legislatura, de 1838 a 1839 – instalada a primeira sessão legislativa em 24.06.1838. Deputado à Assembléia Geral pela Paraíba na 5.ª, 8.ª, 9.ª, 10.ª, 11.ª, 14.ª, 15.ª, 16.ª, 19.ª e 20.ª legislaturas, respectivamente, de 19.02.1843 a 24.05.1844, de 01.01.1850 a 04.09.1852, de 03.05.1853 a 20.09.1856, de 03.05.1857 a 16.09.1860, de 03.05.1861 a 12.05.1863, de 11.05.1869 a 22.05.1872, de 21.12.1872 a 10.10.1875, de 11.02.1877 a 14.10.1877, de 11.02.1885 a 26.09.1885, e de 03.05.1886 a 17.06.1889. Foi contemplado o seu nome em duas listas tríplices para senador do império. Sub-diretor aposentado da Diretoria Geral das Rendas Públicas. Presidente da Província da Paraíba de 11.11.1860 a 07.06.1861. Conselheiro do Imperador. Comendador da Ordem da Rosa.
Tendo sido escolhido senador Pedro Rodrigues Fernandes Chaves, foi substituido por

José Maria Ildefonso Jacome da Veiga Pessôa
Citado acima, como Deputado à 3.ª Legislatura.

6.ª LEGISLATURA -1845 – 1847

Benedicto Marques da Silva Acauhã
Nascido em 1815, no sertão da Paraíba, e falecido em 20.02.1873. Bacharel em Direito pela Academia de Olinda, onde recebeu o grau de bacharel, em 1837. Inspetor Geral dos Terrenos diamantinos na Bahia. Deputado Provincial da Paraíba, na 4.ª Legislatura, de 1840 a 1841 – instalada a primeira sessão legislativa em 01.10.1840. Deputado à Assembléia Geral pela Paraíba na 6.ª e 7.ª legislaturas, respectivamente, de 01.01.1845 a 18.09.1847, e de 03.05.1848 a 05.10.1848. Membro correspondente do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro.

Felizardo Toscano de Brito
Natural da Paraíba. Bacharel em Direito pela Academia de Olinda, na turma de 1838. Deputado à Assembléia Geral pela Paraíba na 7.ª e 13.ª legislaturas, respectivamente, de 15.06.1848 a 05.10.1848, e de 22.05.1867 a 20.07.1868. Deputado Provincial da Paraíba, na 13.ª Legislatura, de 1860 a 1861. Presidente da Província da Paraíba, de 20.02.1864 a 18.05.1864; e de 20.07.1866 a 03.08.1866.

Miguel Joaquim Aires do Nascimento
Padre. Natural do Ceará. Bacharel em Direito pela Academia de Olinda, na turma de 1838. Deputado à Assembléia Geral pela Paraíba na 6.ª e 7.ª legislaturas, respectivamente, de 01.01.1845 a 18.09.1847, e de 03.05.1848 a 05.10.1848.

João Coelho Bastos
Citado acima, como Deputado à 4.ª Legislatura.

Nicolau Rodrigues dos Santos França e Leite
Nascido a 07.04.1803, no Piancó, província da Paraíba, e falecido a 06.07.1867, no Rio de Janeiro. Filho do Capitão João Rodrigues dos Santos França e Leite e de Isabel Maria Gomes de Almeida. Bacharel em Ciências Sociais e Jurídicas pela Academia de Olinda, na turma de 1834. Foi um dos fundadores do Instituto da Ordem dos Advogados. Um dos seis deportados, em 1842, em conseqüência dos movimentos revolucionários de São Paulo e Minas Gerais. Deputado à Assembléia Geral pela Paraíba na 6.ª e 7.ª legislaturas, respectivamente, de 01.01.1845 a 18.09.1847, e de 03.05.1848 a 05.10.1848. Proprietário da Chácara da Floresta, na rua da Ajuda.  Membro do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro.
Casado com Maria Rita de Sampaio, filha do coronel Antonio Manuel da Silveira Sampaio e de Maria Carlota de Sampaio Figueiredo Leite Lobo.
Pais de:
I-1. Isabel Maria de Sampaio França e Leite, nascida por volta de 1835. Com geração no Rio Grande do Sul.
I-2. Nicolau Rodrigues dos Santos França e Leite, nascido em 1837, no Rio de Janeiro, e falecido a 21.05.1885, em São Paulo. Engenheiro formado pela antiga Escola Central.

7.ª LEGISLATURA -1848

Frederico Carneiro de Campos
Presidente da Província da Paraíba, de 18.12.1844 a 16.03.1848.

Felizardo Toscano de Brito
Citado acima, como Deputado à 6.ª Legislatura.

Benedicto Marques da Silva Acauhã
Citado acima, como Deputado à 6.ª Legislatura.

Nicolau Rodrigues dos Santos França Leite.
Citado acima, como Deputado à 6.ª Legislatura.

João Coelho Bastos
Citado acima, como Deputado à 4.ª Legislatura.

8.ª LEGISLATURA – 1850 – 1852

Antonio José Henriques
Citado acima, como Deputado à 5.ª Legislatura.

Francisco de Assis Pereira Rocha Junior
Citado acima, como Deputado à 5.ª Legislatura.

Frederico de Almeida e Albuquerque
Citado acima, como Deputado à 4.ª Legislatura.

Joaquim Manuel Carneiro da Cunha
Citado acima, como Deputado à 1.ª Assembléia Constituinte.

Manuel Correia Lima
Nascido na Paraíba, onde faleceu a 16.11.1863. Advogado e político. Magistrado. Bacharel em Ciências Jurídicas e Sociais pela Academia de Olinda, na turma de 1840. Juiz de Direito no Maranhão. Deputado Provincial da Paraíba, na 4.ª Legislatura, de 1842 a 1843. Deputado Provincial da Paraíba, na 5.ª Legislatura, de 1844 a 1845. Deputado à Assembléia Geral pela Paraíba na 8.ª legislatura, de 01.01.1850 a 04.09.1852.

Falecendo Joaquim Manuel Carneiro da Cunha, foi substituido por:

Felix Antonio Ferreira de Albuquerque.
Nascido na Paraíba. Oficial do Exército. Deputado à Assembléia Geral pela Paraíba na 8.ª legislatura, de 01.01.1850 a 04.09.1852.

9.ª LEGISLATURA – 1853 – 1856

Antonio José Henriques
Citado acima, como Deputado à 5.ª Legislatura.

Francisco de Assis Pereira Rocha Junior
Citado acima, como Deputado à 5.ª Legislatura.

Lindolfo José Correia das Neves
Sacerdote. Nascido em 1819, em João Pessoa, onde faleceu em 1884. Jornalista, tendo estudado em Portugal, porém ordenou-se no Seminário de Olinda, Pernambuco. Bacharel em Direito pela faculdade do recife, Pernambuco, na turma de 1843. Deputado Provincial da Paraíba, na 8.ª Legislatura, de 1850 a 1851. Deputado à Assembléia Geral pela Paraíba na 9.ª legislatura, de 1853 a 1856. Deputado Provincial da Paraíba, na 12.ª Legislatura, de 1858 a 1859. Deputado Provincial da Paraíba, na 13.ª Legislatura, de 1860 a 1861. Deputado Provincial da Paraíba, na 14.ª Legislatura, de 1862 a 1863. Orador Sacro da Capela Imperial.

Frederico de Almeida e Albuquerque
Citado acima, como Deputado à 4.ª Legislatura.

José da Costa Machado.
Citado acima, como Deputado à 3.ª Legislatura.

Tendo falecido Francisco de Assis Pereira Rocha Junior e sido escolhido senador Frederico de Almeida e Albuquerque, foram substituídos por

Crispim Antonio de Miranda Henriques
Nascido em Areia, Paraíba, e falecido em 1891, em Santa Rita.  Bacharel em Direito pela Faculdade de Olinda, na turma de 1849. Deputado Provincial. Procurador Fiscal do Tesouro Provincial. Deputado Provincial da Paraíba, na 8.ª Legislatura, de 1850 a 1851. Deputado Provincial da Paraíba, na 9.ª Legislatura, de 1852 a 1853. Deputado Provincial da Paraíba, na 10.ª Legislatura, de 1854 a 1855. Deputado Provincial da Paraíba, na 11.ª Legislatura, de 1856 a 1857. Deputado à Assembléia Geral pela Paraíba na 9.ª legislatura, de 03.05.1856 a 20.09.1856. Deputado Provincial da Paraíba, na 15.ª Legislatura, de 1864 a 1865. Comissário Escolar em Santa Rita, onde passou a residir, e onde faleceu. Com geração.

José Paulino de Figueiredo
Natural da Paraíba. Bacharel em Direito pela Faculdade de Olinda, na turma de 1843. Deputado Provincial da Paraíba, na 8.ª Legislatura, de 1850 a 1851. Deputado Provincial da Paraíba, na 9.ª Legislatura, de 1852 a 1853. Deputado Provincial da Paraíba, na 10.ª Legislatura, de 1854 a 1855. Deputado Provincial da Paraíba, na 11.ª Legislatura, de 1856 a 1857. Deputado à Assembléia Geral pela Paraíba na 9.ª legislatura, de 26.07.1856 a 20.09.1856. Deputado Provincial da Paraíba, na 14.ª Legislatura, de 1862 a 1863. Presidente da Província da Paraíba, de 1877 a 24.04.1877; e de 01.03.1878 a 11.03.1878.

10.ª LEGISLATURA – 1857 – 1860

1.º distrito – Capital

Vitorino do Rego Toscano Barreto
Doutor. Magistrado. Deputado Provincial da Paraíba, na 6.ª Legislatura, de 1846 a 1847. Deputado Provincial da Paraíba, na 7.ª Legislatura, de 1848 a 1849. Deputado à Assembléia Geral pela Paraíba na 10.ª legislatura, de 03.05.1857 a 16.09.1860. Presidente da Assembléia Legislativa da Paraíba, em 1866.

Suplente –
Antonio da Cunha Cavalcanti de Albuquerque Melo
Bacharel em Direito pela Faculdade de Olinda, na turma de 1851. Deputado Provincial da Paraíba, na 9.ª Legislatura, de 1852 a 1853. Deputado à Assembléia Geral pela Paraíba na 10.ª legislatura.

2.º distrito – Campina Grande

Antonio José Henriques
Citado acima, como Deputado à 5.ª Legislatura.

Suplente –
Fausto Benjamin da Cruz Gouvêa
Natural da Paraíba. Bacharel em Direito pela Faculdade de Olinda, na turma de 1846. Deputado à Assembléia Geral pela Paraíba na 10.ª legislatura. Deputado Provincial da Paraíba, na 8.ª Legislatura, de 1850 a 1851. Deputado Provincial da Paraíba, na 9.ª Legislatura, de 1852 a 1853. Deputado Provincial da Paraíba, na 10.ª Legislatura, de 1854 a 1855.  Deputado Provincial da Paraíba, na 11.ª Legislatura, de 1856 a 1857.

3.º  distrito – Areias

Diogo Velho Cavalcanti de Albuquerque
Nascido a 30.10.1828, no Engenho Fazenda Chaves, Município de N.S. do Pilar, Paraíba; batizado a 03.09.1829, na Capela de Nossa Senhora da Conceição da Povoação de Gurinhém, e falecido em 14.06.1899, em Juiz de Fora, Minas Gerais. Filho de Diogo Velho Cavalcanti de Albuquerque, do Engenho Baixa Verde, Nazaré, Pernambuco, e de Ângela Sofia Teotônia Pessoa. Bacharel em direito pela Faculdade de Olinda, Pernambuco, na turma de 1851. Promotor Público da Comarca de Areia, na Paraíba. Deputado Provincial pela Paraíba em 2 legislaturas [1854-55 e 1856-57]. Deputado à Assembléia Geral, pela Paraíba, em 5 legislaturas [10.ª leg., 03.05.1857 a 16.09.1860, pelo 3.º Distrito – Areias; 11.ª leg. 03.05.1861 a 12.05.63 – pelo 1.º Distrito, Capital; 14.ª leg. 11.05.1869 – 22.05.1872 – pelo 1.º Distrito, Capital; 15.ª leg. 21.12.1872 a 12.09.1874 – pelo 1.º Distrito; e 10.09.1875 a 10.10.1875]. Senador do Império, pelo Rio Grande do Norte [06.03.1877 a 15.11.1884]. Presidente das Províncias do Piauí [05.11.1859 a 12.07.1860], Ceará [27.08.1868 a 25.07.1869] e Pernambuco [30.10.1870 a 26.10.1871]. Ministro da Agricultura [10.01.1870 a 28.09.1870], da Justiça [25.06.1875 a 14.02.1877] e dos Estrangeiros [15.02.1877 a 04.01.1878]. Conselheiro de Estado [1889]. Dignitário da Ordem de Cristo. Grã-Cruz da Ordem de Vila Viçosa de Portugal. Grã Cruz da Ordem da Coroa Real da Prússia.. Agraciado com o título de visconde com honras de grandeza de Cavalcanti, por Decreto de 30.05.1888. Teve mercê da Carta de Brasão de Armas requeridas em 27.06.1888, concedidas em 13.07.1888, com Ofício ao Rei de Armas para passá-las por carta de brasão de 14.07.1888: um escudo partido: o 1.º, em campo esquartelado, no primeiro e no quarto quartel, em campo de prata, cinco escudetes de azul, em cruz, carregados, cada um, de cinco besantes do ouro, e bordadura de vermelho, carregada de sete castelos de ouro, – que representa as armas de Portugal; e no segundo e no terceiro quartel, em campo vermelho, cinco flores-de-lis de ouro, primitivas armas dos Albuquerques; e o 2.º, em campo de prata, mantelado de vermelho semeado de quadrifólios de prata, uma asna de azul, perfilada de negro brocante sobre o traço do mantelado, que representa as armas dos Cavalcanti. Coronel de conde. Timbre: um hipogrifo rompante de sua cor entre chamas, – da família Cavalcanti
Deixou geração do seu casamento, a 15.07.1871, no Rio de Janeiro, RJ, com Amélia Machado Coelho de Castro, nascida a 07.11.1852, Rio de Janeiro, RJ, onde faleceu a 21.02.1946, viscondessa com honras de grandeza de Cavalcanti, por seu casamento. Filha do doutor Constantino Machado Coelho de Castro e de Mariana Barbosa de Assis Ferreira.
Os viscondes de Cavalcanti, Diogo e Amélia, eram co-proprietários do engenho Baixa Verde, Comarca de Nazaré da Mata, Pernambuco. Venderam parte das terras deste engenho à The Great Western Co. of Brazil Ltda., necessária à construção da estrada de ferro Nazaré-Timbaúba, tendo 1.785 m. de comprimento, e largura média de 61.50 m., com área total de 109.977, 50 m.2. O preço de venda, em moeda corrente, foi 1:700$000 – um conto e setecentos mil reis (Dicionário das Famílias Brasileiras, Barata & Cunha Bueno, Tomo I, Volume I, verbete Cavalcanti de Albuquerque).
Pais de:
I-1. Fernando Velho Cavalcanti de Albuquerque, nascido em 30.05.1873, no Rio de Janeiro. Engenheiro Civil, diplomado pela Escola Politécnica do Rio de Janeiro, turma de 1899
I-2. Maria Estela Velho Cavalcanti de Albuquerque, marquesa de Marchesini, por seu casamento.

Suplente  –
Crispim Antonio de Miranda Henrique
Citado acima, como Deputado à 9.ª Legislatura.

4.º  distrito-Pombal

Felinto Henriques de Almeida
Magistrado. Deputado Provincial da Paraíba, na 12.ª Legislatura, de 1858 a 1859. Deputado à Assembléia Geral pela Paraíba na 10.ª e 12.ª legislaturas, respectivamente, de 12.05.1860 a 16.09.1860, e de 01.01.1864 a 16.09.1866. Presidente da Assembléia Legislativa da Paraíba, de 1858-1859. Deputado Provincial da Paraíba, na 13.ª Legislatura, de 1860 a 1861.

Suplente –
Antonio Manuel de Aragão e Melo
Natural da Paraíba. Magistrado. Bacharel em Direito pela Faculdade de Olinda, na turma de 1849. Deputado Provincial da Paraíba, na 6.ª Legislatura, de 1846 a 1847. Deputado Provincial da Paraíba, na 7.ª Legislatura, de 1848 a 1849. Presidente da Província de Goiás, de 01.05.1860 a 21.04.1861. Deputado à Assembléia Geral pela Paraíba na 10.ª, 11.ª, 12.ª, 13.ª, e 17.ª   legislaturas, respectivamente, de 03.05.1857 a 11.09.1860, de 03.05.1861 a 12.05.1863, de 01.01.1864 a 16.09.1866, de 22.05.1867 a 20.07.1868, e de 15.12.1878 a 10.01.1881.

5.º  distrito –Souza

Flávio Clementino da Silva Freire
Nascido em 1816, na Paraíba, onde faleceu em 26.08.1900. Proprietário Rural. Proprietário com fazenda de açúcar na província da Paraíba. Bacharel em Direito pela Faculdade de Olinda, na turma de 1840. Deputado Provincial da Paraíba, na 4.ª Legislatura, de 1842 a 1843. Deputado Provincial da Paraíba, na 5.ª Legislatura, de 1844 a 1845. Deputado Provincial da Paraíba, na 8.ª Legislatura, de 1850 a 1851. Deputado Provincial da Paraíba, na 9.ª Legislatura, de 1852 a 1853. Deputado Provincial da Paraíba, na 10.ª Legislatura, de 1854 a 1855. Deputado à Assembléia Geral, pela Paraíba, na 10.ª Legislatura, de 03.05.1857 a 11.09.1860; na 11.ª Legislatura, de 03.05.1861 a 12.05.1863; e na 14.ª Legislatura, em 1869. Presidente da Assembléia Legislativa da Paraíba, em 1850 e em 1854. Presidente da Província da Paraíba, de 29.04.1853 a 07.10.1853; de 07.05.1854 a 23.10.1854; de 16.04.1855 a 26.11.1855; de 17.03.1861 a 10.05.1861; e de 10.04.1876 a 09.01.1877. Senador do Império, pela Paraíba, de 15.06.1869 à 15.11.1889 – data da Proclamação da República.
Grande do Império e Oficial da Imperial Ordem da Rosa. Agraciado com o título de Barão de Mamanguape, por Decreto de 14.03.1860; elevado ao título de Barão com honras de grandeza, por Decreto de 16.05.1888. Teve mercê da Carta de Brasão de Armas datado de 23.06.1860. Registrado no Cartório da Nobreza, Liv. VI, fls. 42: – um escudo em campo de ouro, com uma banda de azul, carregada de três flores de canas de açúcar, de ouro. Coroa de barão.
Casou com Carmem Freire, nascida a 02.03.1855, no Rio de Janeiro, onde faleceu a 13.09.1891. Poetisa. Baronesa de Mamanguape.

Suplente –
Olyntho José Meira.
Dr. Olinto José Meira, nascido a 07.07.1829, em Pilar, Paraíba, e falecido a  09.10.1901, na Paraíba, filho de José Bento Meira de Vasconcelos, Capitão Mor, Senhor de Engenho em Pernambuco, e de Isabel Cândida da Anunciação Meira, de Pilar, Paraíba. Advogado, Bacharel em Direito pela Faculdade de Olinda, na turma de 1851. Juiz de Direito. Chefe de Polícia no Pará, em 1861. Deputado Provincial da Paraíba, na 10.ª Legislatura, de 1854 a 1855. Deputado Provincial da Paraíba, na 11.ª Legislatura, de 1856 a 1857. Deputado Provincial da Paraíba, na 12.ª Legislatura, de 1858 a 1859. Deputado Provincial, pelo Rio Grande do Norte. Deputado à Assembléia Geral, pela Paraíba, na 10.ª Legislatura, de 10.05.1859 a 11.09.1860. Presidente das Províncias do Pará e do Rio Grande do Norte [30.06.1863 a 20.08.1863].
Foi casado duas vezes: a primeira, com Maria Joaquina de Albuquerque Sá; e o segundo, a 06.1872, com Maria Generosa Meira Ribeiro Dantas, nascida a 09.05.1851, filha do senhor de engenhos, Miguel Ribeiro Dantas Filho, e neta do barão de Mipibú, membro da importante família Ribeiro Dantas, do Rio Grande do Norte. Com geração nos dois casamentos.

Fim da Parte I