Patronos

Jarbas Jayme

Nasceu a 19 de dezembro de 1895 na fazenda Água Limpa, município de Pirenópolis, Goiás, de propriedade de seus pais Sisenando Gonzaga Jayme e Eugênia Goulão. Casou a primeira vez em 05.07.1915 com Maria Diná Crispim, nascida em Anápolis-GO, sendo pais de José, Sisenando, Jarbas, Célia, Tasso, Paulo, Haidê e Décio. Viúvo, casou com a prima Dailde de Araújo Goulão, com quem teve Fábio, Eugênia e Celestina. Teve ainda Lázara Fernandes, que sempre reconheceu como sua filha. Jarbas Jayme faleceu em Anápolis-GO a 21 de julho de 1968.

Fez seus primeiros estudos na terra natal, completando-os, depois, em Ouro Fino, Goiás, no Seminário de Santa Cruz. Começou sua vida como comerciante em Anápolis (1923), mas logo sentiu-se atraído pelo magistério secundário, passando a lecionar na rede estadual. Foi um dos fundadores da extinta Escola Normal Padre Gonzaga, em Pirenópolis.

Exerceu, ainda, diversas funções públicas em seu Estado: procurador fiscal e coletor  municipal, em Anápolis; secretário municipal e prefeito, duas vezes, de Mataúna, hoje Palmeiras de Goiás; e chefe de polícia em Goiânia de 1951 a 1954. Militou, também, ao longo de quase 40 anos, na imprensa goiana e do Triângulo Mineiro.

Era membro do Instituto Histórico e Geográfico de Goiás e do Instituto Genealógico Brasileiro. “Apesar de insistentes convites, jamais concordou em concorrer a uma Cadeira na Academia Goiana de Letras, que lhe tributou justa homenagem póstuma, instituindo a Cadeira nº 34 de que Jarbas Jayme é patrono.” * Associou-se ao Colégio Brasileiro de Genealogia a 22 de abril de 1967.

Além de inúmeros artigos na Revista Genealógica Brasileira, de que foi assíduo colaborador, são de sua autoria:

  • Cinco vultos meiapontenses – retrato biográfico de personagens ilustres;
  • Do passado ao presente – ensaios genealógicos de troncos goianos;
  • Vale Seis – obra de crítica genealógica sobre as origens da família Fleuri;
  • Anedotário meiapontense;
  • Esboço histórico de Pirenópolis – em 2 volumes
  • Famílias pirenopolinas – obra póstuma, em 5 volumes, onde traçou a genealogia de mais de cem famílias da região;
  • Os Sumos Pontífices – trabalho histórico sobre os papas, concluído poucos meses antes de sua morte;
  • História das Casas de Pirenópolis.

* Pirenópolis (Humorismo e folclore), de José Sizenando Jayme