CBG – Colégio Brasileiro de Genealogia: Roberto Guião de Souza Lima
Sócios Titulares

Roberto Guião de Souza Lima

Nascido no distrito de Barão de Juparanã (Ilha do Búfalo) – Valença (RJ) em 18.03.1939. Filho único de: José Antonio de Souza Lima (2o matrimonio: 28.04.1934)  *15.03.1875 (Alberto Furtado – Valença – RJ) +26.01.1952 (Valença – RJ) e de  Judith Ramos Guião de Lima *16.10.1900 (Santa Rita do Passa Quatro – SP) + 09.02.1986 (Valença – RJ).

Casado, em segundas núpcias, com Carmen Luiza Pereira de Matos. Pai de Roberto Guião de Souza Lima Júnior (do 1o matrimônio).

Administrador de Empresas e Contador. Funcionário por 30 anos da CSN (Companhia Siderúrgica Nacional) em Volta Redonda aposentado em 1990. Executivo em outras empresas até junho de 1996. Consultor empresarial.

 

Associações culturais às quais pertence e categoria associativa:

Sócio Efetivo do Instituto Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro (IHGRJ) – Rio de Janeiro (RJ). Sócio Titular do Colégio Brasileiro de Genealogia (CBG) – Rio de Janeiro (RJ). Sócio Efetivo do Instituto Histórico e Geográfico de Vassouras (IHGV) – Vassouras (RJ). Acadêmico da Academia Barramansense de História (ABH) – Barra Mansa (RJ). Sócio Efetivo do Instituto de Estudos Valeparaibanos (IEV) – Lorena (SP). Sócio Fundador do Instituto de Preservação e Desenvolvimento do Vale do Paraíba (PRESERVALE) – Valença/Rio de Janeiro (RJ). Sócio Correspondente do Instituto Histórico, Geográfico e Genealógico de Sorocaba (IHGGS) – Sorocaba (SP).  Sócio Correspondente do Instituto Genealógico da Bahia (IGB) – Salvador (BA)

Campo, filosofia e objetivos de pesquisa:

Pesquisador, desde 1979, da HISTÓRIA DO CAFÉ nos Séculos XIX e XX (neste, com concentração nas primeiras décadas) em todo o Vale do Rio Paraíba do Sul (RJ, SP e MG) e no “Oeste” paulista (considerado nas pesquisas em sentido geográfico ampliado) e da GENEALOGIA DAS FAMÍLIAS envolvidas nessa epopéia cafeeira.

A filosofia central que sempre presidiu a pesquisa no tempo e no espaço acima definidos foi o exame conjunto e integrado da história e da genealogia.

O objetivo principal do trabalho de pesquisa empreendido é resgatar – com a maior profundidade e abrangências geográfica e temporal possíveis dentro do nicho definido – a memória histórica e genealógica do chamado “CICLO DO CAFÉ” (seja no pioneiro período, Vale-paraibano, seja na sua vertente “Oeste” paulistana) e consolidar as informações em um arquivo chamado de “ARQUIVO RGSL”[1], adequadamente organizado e de fácil acesso/recuperação, e com isso não só contribuir para que a memória resgatada seja preservada através dele como, também, disponibilizá-la para as pessoas interessadas em pesquisar/estudar e/ou simplesmente conhecer o tema.

Para tanto, todo o arquivo — suportado por uma biblioteca histórica e genealógica com cerca de 1.230 títulos — pode ser consultado mediante prévio agendamento o que tem sido feito principalmente por: arquitetos, estudantes de história e de arquitetura (no nível de graduação e pós-graduação) e genealogistas.

Tem sido prestados também apoio e consultoria para entidades diversas.

Divulgação

Outro objetivo do “ARQUIVO RGSL” é o fornecimento de informações históricas e genealógicas para publicações de matérias em revistas e jornais de Volta Redonda, Barra Mansa, Barra do Pirai, Piraí, Pinheiral, Rio Claro, Valença, Vassouras, Resende, Quatis, Itatiaia, Porto Real; para publicações em veículos das instituições culturais mencionadas no item B e/ou para uso em outras formas de divulgação como exposições temáticas, palestras etc.

Além das publicações e mais intensamente a partir de 1990, foram realizadas exposições, palestras e comunicações em diversas entidades em eventos histórico/culturais, além de entrevistas concedidas para TVs, jornais e revistas.

 

Palestras e revistas:

Matérias sobre fazendas históricas das regiões de Valença e Barra Mansa/Volta Redonda, publicadas nas revistas: Chafariz: 16 edições, com períodos de interrupção, entre agosto de 1991 e dezembro de 2004 e Volta Cultural: 10 edições, entre  fevereiro de 2003 e fevereiro de 2004.

  • “Café e família”, palestra realizada no CBG em julho de 1999. O tema foi reapresentado, em abril de 2002, no XVI Simpósio de História do Vale do Paraíba, promovido pelo Instituto de Estudos Valeparaibanos (IEV) no Centro Universitário Salesiano (UNISAL), em Lorena (SP), e, posteriormente, publicado sob o título “Café & Família no Vale do Paraíba”, na revista do Instituto Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro (IHGRJ), Ano 12, No 12, 2003.
  • “A fazenda São Lourenço” (história e genealogia dos proprietários), palestra realizada no CBG em setembro de 2000 em parceria com o confrade Fernando Antonio Ielpo Jannuzzi Junior, tendo sido publicada naquele ano pelo Colégio em formato de apostila.
  • “A fazenda Santa Clara, um feudo cafeeiro e escravagista” (história e genealogia dos proprietários), escrita em parceria com o confrade Fernando Antonio Ielpo Jannuzzi Junior e editada pelo CBG através das Cartas Mensais 67, 68 e 69, entre novembro de 2002 e abril de 2003.
  • “A fazenda Santa Rosa, café e aguardente na Serra” (história e genealogia dos proprietários), escrita em parceria com o confrade Fernando Antonio Ielpo Jannuzzi Junior e editada pelo CBG através das Cartas Mensais 71, 72 e 73, entre julho e dezembro de 2003.
  • “As obras do artista José Maria Villaronga”, palestra realizada no IHGRJ em novembro de 2005 e publicada na Revista do IHGRJ, Ano 14, No 14, 2005.
  • “Fazenda Três Poços do Café à Universidade”, palestra realizada no IHGRJ em julho de 2010 e publicada na Revista do IHGRJ, Ano 18, No  18, 2011.
  • “Flores do Paraizo: ícone do café no Vale, sua história, sua gente”, conferência apresentada em 14.04.2011 quando da posse na Cadeira Nove do Instituto Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro (IHGRJ) e publicada na Revista do IHGRJ, Ano 19, No 19, 2012.

 

Publicações diversas:

“O Ciclo do Café Vale-paraibano”, Tomo I, da Fase I do “Inventário das Fazendas do Vale do Paraíba Fluminense”.

  • Textos históricos sobre várias fazendas de café para compor as Fases I e II do “Inventário das Fazendas do Vale do Paraíba Fluminense”, projeto coordenado pelo INEPAC – Instituto Estadual do Patrimônio Cultural, com a participação do ICCV – Instituto Cultural Cidade Viva com apoio e patrocínio do Instituto LIGHT e da LIGHT S.A. (2007/2008 e 2008/2009).

 

Palestra estruturada:

“O Ciclo do Café Vale-paraibano” (principais aspectos): Com diversas apresentações realizadas para alunos de escolas de nível médio, para alunos de graduação em história e arquitetura e para diferentes públicos em Escolas e Centros Culturais      tanto privados como governamentais (Duração de 1:30 horas com apoio de recursos visuais).

 

Livros:

  • “VOLTA REDONDA DO CAFÉ E DO LEITE 140 Anos de História”, fazendas e famílias pioneiras e sucessoras, editado pela Secretaria Municipal de Cultura da PMVR em novembro de 2004.
  • “FAZENDA TRÊS POÇOS do Café à Universidade”, organizador e co-autor, em parceria com o embaixador João Hermes Pereira de Araújo, editado pela Editora FOA da Fundação Oswaldo Aranha em novembro de 2007 (2ª edição: maio de 2009).
  • “A HISTÓRIA DA FAZENDA DO PARAIZO E DE SUA GENTE”, edição do autor com divulgação restrita (abril de 2014)

 

Livro em desenvolvimento:

“Panorama do Ciclo do Café no Vale do Paraíba no Brasil Império” (título provisório).

 

 

 


[1]Este Arquivo, que contém diversificadas informações sobre o tema objeto das pesquisas e que estão organizadas em 256 volumes  registra até o momento, apenas no que se refere às “FAZENDAS”, o produto de 482 visitas individualmente realizadas além de informações e elementos sobre outras 881 (não visitadas) totalizando 1363 propriedades agrícolas, a maior parte fazendas de café. Registra também informações sobre 563 “CIDADES”, sendo 212 visitadas (38% do total)