CBG – Colégio Brasileiro de Genealogia: Pedro Carlos Meira Auler
Sócios Colaboradores

Pedro Carlos Meira Auler

Nasceu no Recife, PE, em 14/05/1945, filho de Guilherme Martinez Auler e de Hilda Meira de Vasconcellos (por casamento, Hilda Meira Auler), sendo batizado na Matriz da Piedade, em 19/10/1945, dia do aniversário da mãe. O pai era filho de Cristóvão Guilherme Auler, petropolitano, de famílias germânicas que chegaram a Petrópolis em agosto de 1845 – Auler – e em 1846 – Kopp, e de Angela Martinez, espanhola. A mãe era de tradicional família nordestina, com ascendentes em Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte e Bahia, sendo filha de Aldelmo Meira de Vasconcellos e de Esmeraldina Edith Sodré.

A família se estabeleceu em Petrópolis, RJ, em 1947, pois Guilherme Auler foi convidado para assumir a diretoria da Companhia Imobiliária de Petrópolis e, depois, a do jornal “Tribuna de Petrópolis”. E a partir de 1963, para facilitar aos filhos o acesso ao ensino superior, também estabeleceram residência no bairro do Leblon, na cidade do Rio de Janeiro.

Casou-se, em 1972, com Heleny de Vasconcellos Saldanha (por casamento Heleny Saldanha Auler), já falecida e foram pais de 2 filhos: Pedro, que é pai de Guilherme e Eduardo; e Gustavo, que é pai de Maria Eduarda e João Pedro.

Com formação em engenharia civil, tendo ingressado ainda estudante no serviço público do antigo Estado da Guanabara, exerceu cargos em comissão de assessoria na Coordenação de Planos e Orçamento e passou, com a fusão do antigo Estado do Rio de Janeiro com o Estado da Guanabara, para a Prefeitura do Rio de Janeiro, onde ocupou a Superintendência de Programação e Acompanhamento da Secretaria de Planejamento e depois a Assessoria de Orçamento e a Assessoria de Programação e Controle da Secretaria de Obras e Serviços Públicos.

Ainda no Estado da Guanabara foi designado para grupo de  trabalho com a finalidade de levantar investimentos prioritários para a melhoria dos conjuntos habitacionais da COHAB com recursos concedidos pelo BNH e na Prefeitura do Rio de Janeiro para compor a estrutura funcional para a elaboração do Plano Urbanístico Básico – PUB-RIO.  Foi professor-colaborador do Instituto Brasileiro de Administração Pública – IBAM, da PLANORÇA e de outras instituições com cursos na área de planejamento governamental.

O interesse pela genealogia surgiu na pré-adolescência, quando aproveitava as férias de verão no Recife, para entrevistar as tias-avós e, assim, conhecer os ascendentes da linha materna – a família Meira de Vasconcellos, bem como atualizar a descendência do bisavô, que havia sido publicada no “Anuário Genealógico Brasileiro”.

Um pouco mais velho, tendo cursado datilografia, passou a colaborar com o pai na transcrição de documentos históricos do Arquivo da Superintendência da Fazenda Imperial, sendo um dos trabalhos de fôlego a cópia dos ofícios enviados, na maior parte para o Presidente da Província do Rio de Janeiro, pelo Major Júlio Frederico Koeler, primeiro diretor da Imperial Colônia de Petrópolis.  Também foi o responsável pela organização do fichário das “Famílias Germânicas da Imperial Fazenda de Petrópolis”, sob a orientação do pai, trabalho que foi apresentado por Guilherme Auler no I Colóquio de Estudos Teuto-Brasileiros, realizado em Porto Alegre, RS, em 1963 e depois publicado em quatro fascículos na “Tribuna de Petrópolis”.

Com a localização de documentos sobre a chegada dos colonos germânicos contratados pela Província, na Seção de Manuscritos da Biblioteca do antigo Estado do Rio de Janeiro, em Niterói, RJ, atualmente acervo do Arquivo do Estado, teve a incumbência de copiar a documentação – depoimentos dos passageiros, representação dos passageiros do”Marie”, relatórios da comissão de inspeção, comunicados de desembarque e da partida de Niterói, faturas com as despesas das passagens e noticiário na imprensa alemã – que foi divulgada na série “A Chegada dos Colonos Germânicos” – 17 publicações – na “Tribuna de Petrópolis”.

É participante do grupo de discussão genealógica GenealBr e associado do Colégio Brasileiro de Genealogia – CBG desde 23.07.2004, sendo o interesse atual de pesquisa a ampliação das informações constantes de “Famílias Germânicas da Imperial Fazenda de Petrópolis”, com o material do acervo do Arquivo do Estado, bem como com os trabalhos publicados pelo genealogista Carlos G. Rheingantz e por outros pesquisadores.