CBG – Colégio Brasileiro de Genealogia: Guilherme Martinez Auler
Patronos

Guilherme Martinez Auler

Nasceu no Recife, estado de Pernambuco, a 6 de janeiro de 1914, filho de Guilherme Auler e Ângela Martinez Auler, e teve por padrinho de batismo Monsenhor João Olímpio dos Santos. Faleceu em Petrópolis, Rio de Janeiro, em 27 de novembro de 1965.

Foi aluno do Colégio dos Maristas, e ali iniciou suas atividades na imprensa, dirigindo a revista do Grêmio Literário. A partir daí, foi colaborador em diversos jornais e revistas, e, ao falecer, dirigia a Tribuna de Petrópolis, diário da cidade onde se radicou definitivamente em 1947.

Formou-se médico pela Faculdade de Medicina do Recife  em 1938, dedicando-se à Psiquiatria, tendo trabalhado no Departamento de Educação e no Instituto de Previdência dos Servidores, ambos de Pernambuco. Depois abandonou a medicina.

Exerceu também o magistério: foi Professor Catedrático de História do Brasil da Faculdade de Filosofia Ciências e Letras, da Universidade Católica do Recife de 1943 a 1945. Em 1946 exerceu o cargo de Secretário do Território Federal de Fernando de Noronha. Já residindo em Petrópolis, Rio de Janeiro, foi diretor da Companhia Imobiliária.

Pertenceu ao Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, aos Institutos Históricos de Pernambuco, Bahia e Petrópolis, e à Sociedade Capistrano de Abreu.

Desenvolveu extensa atividade como pesquisador, deixando significativa obra de caráter histórico, da qual destacamos:

  • Os Bolsistas do Imperador – 1956;
  • A Construção do Palácio de Petrópolis – 1952;
  • Porcelanas e Cristais da Família Imperial ( sem data);
  • As Últimas Pensões e Mesadas de D. Pedro II – 1955;
  • Os Primeiros e os Últimos Servidores de D. Pedro II – 1955;
  • Os Fornecedores Estrangeiros da Casa Imperial – 1956;
  • A Companhia de Operários, 1839-184- Subsídios para O Estudo da Emigração Germânica no Brasil – 1959;
  • Os Franceses residentes no Rio de Janeiro 1808-1822 – 1960;
  • Registros de Estrangeiros 1777-1842, editado pelo Arquivo Nacional.;

No campo propriamente genealógico, escreveu:

  • O Livro De Notas do Barão de Tracunhaém  (Revista Tradição,1944);
  • Os Titulares Souza Leão (idem, 1945);
  • Primeiros Batizados (Cadernos do Corgo Seco, 1955);
  • notas genealógicas em A Princesa de Petrópolis – 1953;
  • notas genealógicas em A Viagem de D. Pedro II a Pernambuco em 1859 – 1952.