CBG – Colégio Brasileiro de Genealogia: Rubens D’Almada Horta Porto
Galeria de Associados

Rubens D’Almada Horta Porto

Filho de Hannibal Porto e Marianna D’Almada Horta Porto, nasceu a 27 de setembro de 1910 no Rio de Janeiro, Estado do Rio de Janeiro. Casou no Rio de Janeiro a 08.09.1936 com Maria do Rego Monteiro Faveret [1913 – 2003], filha de Arthur Faveret e Laura do Rego Monteiro Faveret. Foram pais de Thereza Maria [1938], João Carlos [1939], Laura Maria [1940] e Júlio Carlos [1942]. Faleceu no Rio de Janeiro-RJ a 09 de janeiro de 1996. Engenheiro. Todos os seus estudos foram feitos no Colégio Santo Inácio, de orientação jesuíta, formando-se no Curso Superior na PUC – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Funcionário público federal. Integrou o Gabinete do Ministro da Justiça, e o Gabinete Especial de Getúlio Vargas, sendo responsável pela criação, com Darcy Vargas, das instituições de benemerência Casa do Pequeno Jornaleiro, Casa do Pequeno Pescador, Casa do Pequeno Lavrador e Abrigo Cristo Redentor. Diretor da Imprensa Nacional. Membro da Comissão de Estudos para Localização da Nova Capital. Chefe do Serviço de Estatística Demográfica, Moral e Política do Ministério da Justiça e Negócio Interiores. Fundador, com Candido Lineu de Paula Machado, da Agir Editora. Integrante do primeiro Conselho Diretor da Fundação Getúlio Vargas [1944], tendo permanecido no Conselho até 1976; fundador do Colégio Nova Friburgo da FGV. Representante do Ministério da Justiça no Conselho Nacional da Fundação do Bem-estar do menor [1970]. Membro dos Institutos Históricos e Geográficos: Brasileiro e do Rio de Janeiro; e do Instituto Genealógico Brasileiro. Fundador da ASIA – Associação dos Antigos Alunos dos Padres Jesuítas – RJ, 1932. Associou-se ao Colégio Brasileiro de Genealogia em 31 de agosto de 1989. Em documento em posse da família, contendo dados biográficos, ele próprio declara que deve sua formação aos pais e aos jesuítas, citando nominalmente diversos sacerdotes. Ressalta, também, sua devoção à Santa Catarina Laboureux. Relaciona ali as distinções – condecorações e medalhas – recebidas: Ordem de São Gregório Magno (Vaticano); Mérito Militar – Exército brasileiro; Mérito da PUC-Rio; Mérito Bandeirantes do Brasil; Mérito do Círculo Operário; Medalha de Guerra – Exército brasileiro; Mérito Santos Dumont – Aeronáutica; Mérito do Trabalho – Ministério do Trabalho; Ordem Nacional de Mérito (Paraguai); Medalhas Mal. Souza Aguiar, Hermes da Fonseca e Caetano de Faria – Ministério da Justiça; Medalha Rui Barbosa – Ministério de Educação e Cultura; Medalha Rio Branco – Ministério das Relações Exteriores; Medalhas Silvio Romero e Anchieta – Prefeitura do Distrito Federal – e outras. Sua obra de maior destaque é Os Horta, editada em 1994, onde apresenta a descendência de José Caetano Rodrigues Horta, desde 1716. Houve também o livro de memórias Em 60 Anos, de 1970. Além dessas, é autor, também, de: O problema da habitação – 1938; A política do estado em face do problema da habitação operária – 1938; Tipos de casas populares – 1939; Financiamento trabalhista – 1939; A legislação do trabalho – 1939; Os favores legais – 1939; Série “Na Imprensa Nacional”: 1941 – A comunicação, O material, A contabilidade, O homem, O meio, 1942 – A técnica; A Cidade das Meninas – 1942; Curta Viagem ao Meio Gráfico Norte-americano – 1943; Aspectos e sugestões sobre estatística demográfica – 1953; Pesquisa sobre os Profissionais de Nível Superior no Brasil – MEC/FGV, 1970.