CBG – Colégio Brasileiro de Genealogia: Benedicto Pires de Almeida (Zico Pires)
Galeria de Associados

Benedicto Pires de Almeida (Zico Pires)

Filho de Osório Pires de Almeida e Ana Cândida de Campos, nasceu em 21.03.1903, na cidade de Tietê, Estado de São Paulo e faleceu em 1997. Casou-se a 02 de julho de 1925, em Tietê-SP, com Danuzia de Sanctis, filha de Amantino de Santis e Filomena Paródi, tendo cinco filhos: Benedito, Osório, Amantino, José e Maria Terezinha. Cursou os primeiros anos de escola Grupo Escolar Luiz Antunes, de sua terra, de 1910 a 1914 e embora quisesse continuar os estudos, isso não aconteceu. Tornou-se, entretanto, um ávido leitor, lia tudo o que lhe chegava às mãos e transformou-se num autodidata. Formou uma imensa e variada biblioteca particular, que atingiu as dimensões de cerca de 7 mil volumes, 300 coleções de jornais e 3.500 fotografias de interesse histórico. Terminado o curso primário, em 1915 vai trabalhar no comércio e em 1917 passa a trabalhar na Prefeitura Municipal. Foram 33 anos e 11 meses como funcionário público, ocupando praticamente todos os cargos existentes: auxiliar de tesouraria – 1921; 1922/1924 – tesoureiro; Secretário da Câmara Municipal e da Prefeitura até outubro de 1930; Secretário do Conselho Consultivo Municipal; Sub-secretário da Câmara Municipal; Prefeito interino em 1940 – fevereiro a setembro, e 1947 – março a dezembro. Foi vereador e Presidente da Câmara de 1963 a 1969. Além das atividades políticas, exerceu o jornalismo. Em 1916, fundou o semanário, “O Juvenil”; em 1923, fundou “O Porvir”, publicação dos alunos do Externato Tietê; em 1929, fundou “A Gazeta”, cujo primeiro número saiu em 31 de julho daquele ano. Foi colaborador d’”A Gazeta Magazine” e “A Gazeta”, ambas de São Paulo; d’ “O Cruzeiro do Sul”, de Sorocaba-SP; d’”A Gazeta”, “O Democrata” e “Nossa Folha”, todos de Tietê, onde escreveu mais de 500 artigos. Foi membro da Comissão Paulista de Folclore (1950) e das seguintes comissões: do Museu Pedagógico e Folclórico “Cornélio Pires”, da Biblioteca Professor João Ferraz, das Semanas Cornélio Pires, e, de reunificação da Familia Pires. Sócio-fundador da União Brasileira de Escritores, da Ordem Nacional dos Escritores e da Ordem Nacional dos Bandeirantes Mater. Sócio dos Institutos: Histórico e Geográfico de São Paulo, Genealógico Brasileiro, Histórico, Geográfico e Genealógico de Sorocaba-SP, além da Sociedade Paulista de Escritores, da Associação Brasileira de Folclore e da Sociedade de Geografia. Acadêmico-fundador das Academias: Paulistana da História (da cidade de São Paulo), Piracicabana de Letras (Piracicaba-SP), Sorocabana de Letras (Sorocaba-SP) e Cultural e Artística de Tietê. Associou-se ao Colégio Brasileiro de Genealogia em 27-05-1991, tendo sido eleito Sócio-Adjunto em 10-04-1992. Membro do Rotary e Lions Club de Tietê. Secretário de inúmeras sociedades locais. Foi, por diversas vezes, festeiro da Festa do Divino de Tietê, famosa em todo o Estado de São Paulo. Recebeu as seguintes medalhas e honrarias: Medalha Imperatriz Leopoldina, do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo; Medalha Brigadeiro José Vieira Couto de Magalhães, da Sociedade de Geografia de São Paulo; Medalha Comemorativa da Revolução de 1932, outorgada pela Assembléia Legislativa de São Paulo, por serviços prestados ao Movimento Constitucionalista, e, Diploma de “Cidadão Benemérito” e Medalha de Pirapora do Curuçá, ambas da Câmara Municipal de Tietê. Autor de diversos artigos nas Revistas: Genealógica Brasileira, do Instituto Genealógico; do Arquivo Municipal de São Paulo (15 artigos sobre a história de Tietê); do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo; e no Boletim Bibliográfico da Biblioteca Mário de Andrade. Publicou: A Revolução de 1932 – Contribuição Tieteense – 1970; Marcelo Tupinambá – Obra Musical de Fernando Lobo – 1993; e Cronologia Tieteense – de 1783 a 1978 – obra de grande destaque, com 2 volumes e 1424 páginas, 1980. Deixou inéditos: Governos Municipais de Tietê; Pirapora do Curuçá de nossa guerra e nossa gente; Índice da legislação municipal;Os Pires Guerreiro – Árvore de Costado; Recordações do Tietê antigo; e Perfil de Cornélio Pires.