CBG – Colégio Brasileiro de Genealogia: Enéas Martins Filho
Antigos Titulares

Enéas Martins Filho

Nasceu em 10 de fevereiro de 1902 em Belém, estado do Pará, filho de Enéas Martins e Cassilda Eirado Martins. Casou-se com Sylvia Pereira de Souza, filha de Cezar Luiz Pereira de Souza e Alzira de Miranda Jordão, não havendo sucessão. Faleceu no Rio de Janeiro em 19.11.1970.

O ensino fundamental cursou no antigo Ginásio Paes de Carvalho, depois Liceu Paranaense. Transferiu-se com a família para o Rio de Janeiro, em 1917, forçado pela rebelião que alijara seu pai do governo do Pará. Por conta disso, terminou o ensino médio no Colégio São Vicente de Paulo em Petrópolis-RJ. Bacharel em Direito pela Faculdade de Ciências Jurídicas e Sociais do Rio de Janeiro.

Trabalhou por longos anos na Rio Light S.A., onde foi Chefe da Seção de Estudos (1957-1961), sub-chefe do Serviço de Relações Públicas, e chefe da Divisão de Publicidade. Foi professor das disciplinas de História e Geografia nos Colégios Mallet Soares e Anglo-Americano, além da Fundação Osório, todos no Rio de Janeiro.

Integrou o Conselho de Tombamento do Estado do Rio de Janeiro. Integrou o Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, onde foi sócio efetivo em 23.06.1965 e orador oficial nos anos de 1968 e 1969. Ingressou no Colégio Brasileiro de Genealogia em 15.10.1960, tendo sido membro do Conselho de Administração (1961-64; 1964-67; 1967-70). Com a criação do quadro de Titulares, em 1968, a ele foi elevado.

Participou de congressos e comissões na entidades a que pertenceu. Teve trabalhos de sua autoria, sobre temas históricos, publicados em diversos periódicos. Dentre outros, deixou os seguintes trabalhos:

  • A Missão Santo Amaro (1830-1831);
  • A Revolução de 1830 vista por um brasileiro;
  • Álbum iconográfico – comemoração do bicentenário da transferência da capital de Salvador para o Rio de Janeiro, 1964;
  • A Freguesia da Candelária – Revista Brasil Genealógico, II, nº 2 – CBG;
  • O Santuário Mariano e seus autores – idem, 269, 1965;
  • O cirurgião João Schiam – originais inéditos, Revista IHGB 271, 1966;
  • O Rio de Janeiro, da descoberta do ouro ao tempo dos vice-reis – idem 276, 1967;
  • Os restos mortais de Pedro Álvares Cabral – idem 278, 1967;
  • Data da instalação da Freguesia da Candelária – idem 251, 1968;
  • Luís XV e o Brasil – idem 272;
  • Resenha biográfica de José Carlos de Macedo Soares – idem, 279, 1968;
  • Dados biográficos de Rodrigo Otávio Filho – idem 284, 1969.
  • Centenário de nascimento de Washington Luís – idem 286, 1970;