Associados são Notícia

  • João Rezende Filho, antes Diácono, ordenou-se Padre em cerimônia celebrada pelo Arcebispo Metropolitano de São Luís do Maranhão, no dia 7 de setembro.
  • Regina Cascão, representando o Colégio, participou o I Colóquio Catarinense de genealogia, organizado pelo INGESC – Instituto de Genealogia de Santa Catarina em Florianópolis, de 13 a 15 de setembro, com duas palestras.
  • Esther Bertoletti, a 18 de setembro, participou como palestrante do I Encontro Documentos, Memória, Preservação e Difusão, em Campina Grande - PB, promovido pelo Instituto Histórico local, que na mesma ocasião concedeu-lhe o título de Sócia Correspondente.
  • José Filipe Menéndez apresentou-se na Seção de História, da Sociedade de Geografia de Lisboa, no dia 4 de outubro, com a alocução O Baixo Mondego no quadro da Reconquista.
  • Reinaldo Carneiro Leão tomou posse como Sócio Correspondente Brasileiro do IHGB – Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro no dia 16 de outubro.

Notícias do CBG

  • Novos Associados - Damos as boas vindas as novos associados Colaboradores: Geraldo Dutra de Andrade Neto – Foz do Iguaçu, PR; Heitor Pinto de Moura Filho, Rio de Janeiro, RJ; Pe. Rodrigo Catini Flaibam – Campinas, SP; e Sonia Regina Sabatke Gutierrez, Curitiba, PR.
  • Notas de Falecimento – São três genealogistas que se foram:
    • José Nazareth de Souza Fróes - Nascido a 5 de agosto de 1928 no bairro de Campo Grande, Zona Oeste do Rio de Janeiro, foi um dos maiores conhecedores daquela região. Autor de "O Brasil na Rota da Seda", “Rumo ao Campo Grande, por trilhas e caminhos”, “Terras Realengas” e "Freguesia de Nossa Senhora do Desterro de Campo Grande revista e documentada". Associado participante e sempre presente, esteve entre nós pela última vez na posse do Titular Fernando Jannuzzi em 11 de junho. Associou-se ao CBG a 11.10.1988 e faleceu no Rio de Janeiro a 1º de setembro, aos 85 anos.
    • Aylzo Lopes de Almeida – Nasceu em Cruzeiro-SP a 15 de outubro de 1929. Administrador de empresas e advogado. Durante sua vida profissional, atuou como jornalista, prestou consultoria empresarial, além de ter exercido diversos cargos de chefia e gerência junto à Prefeitura da Cidade de São Paulo. A partir de 1980 passou a dedicar-se a seu passatempo preferido: “genealogizar”. Foi um perseverante pesquisador de suas origens familiares, com atenção a seu ramo materno, descendente de do português Manuel Gracia Guedes, produzindo um alentado trabalho inédito. Associou-se ao CBG a 30.07.2004 e faleceu em Taubaté-SP a 12 de setembro, aos 84 incompletos.
    • Adauto Dias de Alencar – Nasceu em Assaré – CE a 10 de agosto de 1931. Procurador do estado de Mato Grosso, estava aposentado de suas funções desde 1992. Além de advogado, foi também promotor de Justiça, professor, historiador e defensor público. Era membro da Aacademia Matogrossense de Letras e do IHG de MT, além de ter sido um dos participantes da comissão que oficializou o Hino de Mato Grosso em 1983. Associou-se ao Colégio a 9.05.1989, tendo formalmente solicitado desligamento em novembro de 2006. Faleceu aos 82 anos, em sua residência, na cidade de Cuiabá, no dia 16 de outubro.
  • Biblioteca do CBG - Informamos aos novos associados - e recordamos aos antigos - que o Estatuto CBG traz em seu Art. 12 - item b a obrigação do associado em "doar à biblioteca um exemplar das publicações de sua autoria nas áreas de interesse do Colégio". Em razão disto, e do exíguo espaço para guarda, só temos como adicionar a nosso acervo obras eminentemente genealógicas ou que tenham, em seu conteúdo, pelo menos uma boa parte que trate de genealogia, nossa precípua razão de existência.
    • Entrelaços – de Mitsi Westphal Taylor e Clarkson Sell, aquisição.
      Dentre as famílias germânicas que emigraram para o Brasil e se fixaram em colônias germânicas na Província de Santa Catarina, nas décadas de 1850 e 1860, três delas, Westphal, Schlemper e Sell entrelaçaram-se e vieram a constituir uma expressiva descendência.
    Agradecemos o envio das obras abaixo relacionadas, que muito vêm enriquecer nossa Biblioteca.
    • Acciaiolis no Brasil - de Cássia Albuquerque, Fábio Arruda de Lima e Francisco Antonio Doria, doação do autores.
      Co-autoria de três associados CBG, traz "algum história e genealogia da família Accioli de Vasconcellos, de Santa Maria Madalena da Lagoa do Sul, desde sua origem nos Acciaiolis de Florença".
    • Bittencourt, a saga - dez séculos de história - de Gabriel Bittencourt, doação do autor.
      História e genealogia, com texto inédito de Vital Pimentel de Barros Bittencourt, aborda a origem dos Bittencourt, e os Bittencourt do Brasil - com destaque para os da Bahia e do Espírito Santo.
    • De Antonia a Antonia - de Carmen Maria Corsalade, doação da autora.
      Com família de 10 filhos, 24 netos, e 9 bisnetos, a autora - residente no Rio de janeiro - conta neste livro a trajetória de sua família e seus entrelaçamentos, de sua bisavó Antonia Celho à sua bisneta Antônia.
    • A história das nossas famílias – de José Carlos Henemann e Regina Célia Fontana
      A ancestralidade do casal de autores, de origem alemã e austríaco-italiana: Hönemann/Henemann, Reinholtz, Fabro, Fabro Ferraio, Faoro e Fontana, além de sobrenomes portugueses Cruz, Ferreira de Lima e Mello. Localização: Paraná e sul do Brasil.
    • Nas pegadas do tempo – de Laís Ottoni Barbosa Ferreira
      Depois três obras genealógicas, em que abordou as famílias Ottoni, Costa Pinto e Ferreira da Cunha, desta vez a autora apresenta um pouco da história de sua vida, de forma biográfica, que ela define como “apenas o registro ocasional de parte de uma vida bastante movimentada”.
    • Profª Nena Garcez e eu – de Lourdes Garcez, doação de autora, por intermédio de Adauto Ramos
      A autora apresenta Umbelina Garcez, conhecida por todos como nena Garcez, a primeira professora da rede pública da cidade de Mamanguape, no Estado da Paraíba e de quem, de 1926 a 1950, foi filha de criação.
    • O Voo das Curucacas – de Ismênia Ribeiro Schneider, doação da autora, por intermédio do INGESC.
      Estudo genealógicos de famílias serranas de Santa Catarina, abordando na 1ª parte essas famílias e seus personagens, fazendas, escravos, contexto histórico e nas 2ª e 3ª partes, o destaque e aprofundamento das famílias Ribeiro e Souza.

WWW

  • http://www.genfrancesa.com/regnantes/brasil
    Site argentino com imagens dos arquivos consulares da França no Brasil e em toda a América Latina no século XIX. A França adotou os registros civis em 1904. A maioria dos registros não foi feita na ocasião do assento paroquial, muitas vezes são comunicados anos depois, mas a data do ato está lá. É comum ver registro de casamento seguido do registro dos filhos. No mesmo site encontram-se registros de emissão de passaportes na França.
    (Colaboração de Gustavo Lemos)
  • http://java.genealogy.net/eingabe-verlustlisten/search
    Lista de soldados alemães mortos e feridos na I Guerra Mundial

Evento Cultural Setembro

Continuando a seguir o cronograma apresentado no número 111 da Carta Mensal, o CBG promoveu mais um evento no mês de setembro.

No dia 21, aconteceu a última visita guiada pela parte histórica do Rio de Janeiro, programada para este ano de 2013. Do percurso fizeram parte a Catedral Metropolitana de S. Sebastião, rua do Lavradio, praça Tiradentes e entorno, rua da Carioca e Confeitaria Cavé – cujas iguarias tradicionais acabaram por dar o toque final do percurso. Foram 18 participantes, novamente um bom número para caminhar a pé em grupo e mais uma vez acompanhar devidamente os esclarecimentos e histórias narrados pelo Prof. Milton Teixeira.

O roteiro foi uma novidade para muitos dos participantes, já que, embora área central bem conhecida, não havia ainda sido objeto de um detalhamento histórico mais profundo. A presença da associada de Porto Alegre, Viviane Wiedemann Velloso, com dois familiares, trouxe ainda mais proveito à atividade realizada. Foi outra “aventura cultural” – como nos acostumamos a classificar esses eventos – que deu certo, ampliou os conhecimentos históricos e revelou para muitos uma parte da cidade onde viveram os avoengos. Ao CBG resta sempre agradecer aos que lá estiveram o apoio e a entusiasmada participação.

O registro fotográfico da atividade em breve poderá ser encontrado na página CBG, seção Eventos e Notícias.

Família Barbosa Matos Coutinho

Geraldo Pontes Araújo
Sócio Adjunto
É muito mais fácil reconhecer o erro do que encontrar a verdade; aquele está na superfície, e por isso é fácil erradicá-lo; esta repousa no fundo, e não é qualquer um que a pode investigar. (Goethe)
Tudo o que em nós há de original conservar-se-á tanto melhor e será tanto mais apreciado, quanto mais formos capazes de não perder de vista os nossos antepassados. (Goethe)

Encontramos na Internet informações incorretas sobre a família Barbosa Matos Coutinho, atualmente a internet tem substituídos os velhos livros porque é de acesso mais fácil; mas infelizmente dá credibilidade a erros que são passados de uns para outros de forma tal que nem se sabe quem cometeu o primeiro engano; ou provavelmente apenas divulgou uma suspeita que foi copiada como verdade. Devemos estar atentos e conferir tudo.

Trata-se da atribuição da paternidade de Catarina Duarte à Pantaleão Duarte Velho.

Em Primeiras Famílias do Rio de Janeiro o mestre Carlos Grandmasson Rheingantz divulga fatos que confirmam este engano: “Pantaleão Duarte Velho e Marina Coutinho, pais de: Catarina falecida antes de 1669

Portanto não poderia ser mãe de Mariana Matos Coutinho que nasceu em 1679.

Encontrar esta contradição foi fácil, porem encontrar a verdade foi muito demorado. A verdade somente surgiu quando o genealogista Diego Duque encontrou o óbito da Catarina Duarte com as filhas “Barbosa Matos” e sabendo do meu interesse nesta família me passou.

Fiquei estarrecido ao ver o seu testamento:

Igreja de Nossa Senhora da Candelária, óbitos, 1725, fl.82 – imagem 37 Familysearch:

Aos 17-03-1726, faleceu Catarina Duarte, natural da cidade do Porto, filha legítima de Bartolomeu Rodrigues e de Margarida Duarte. Declaro que fui casada... com Baltazar de Matos de cujo matrimônio tivemos seis filhos: Sebastião de Matos Duarte, Sebastiana de Matos Coutinho, Antônio Duarte de Matos, Mariana de Matos, Luiza de Matos, Leonor de Matos,.”

Busquei o óbito do Pantaleão Duarte Velho, que infelizmente está bastante deteriorado, mas pode-se ler:

Igreja do Santíssimo Sacramento, óbitos 1668, fl. 79 – imagem 45 Familysearch:

Pantaleão Duarte
....foi de Lucas de Couto já defunto................................................ Barbosa
Catarina defunta e que......................................................................... de...

Foi com este documento que Rheingantz observou que a Catarina filha do Pantaleão faleceu antes de 1669. E ele informa também em Primeiras Famílias do RJ:

Baltazar Matos n.pv de 1636 e falecido casado pv de 1666 com Catarina Duarte. Pais de:
1.1-Sebastiana Matos Coutinho n. pv 1667.....
1.4-Mariana, Candelária 2º,68, batizada em 19-9-1679....

O batizado de Micaela dos Anjos Coutinho está completo no processo de genere do Padre Manoel Inácio Barbosa Lage, Armário 9 e pasta 1553 em Mariana-MG, transcrito pelo genealogista João Paulo de Assis, e localizei-o parcialmente ilegível no livro de batizados da Igreja de N.S. da Apresentação de Irajá do ano 1701, fl.94 e imagem 4 no Familysearch:

MICAELA Aos doze de outubro de mil e setecentos e hum batizei e pus os Santos óleos a Micaela fª de Antº Barbosa de Mattos e sua mulher Mariana de Mattos foram padrinhos Je. Barbosa de Mattos e Luiza de Mattos fª de Baltazar de Matos.
João de Barcelos Machado

Este registro confirma mais uma vez ser a Mariana Matos filha de Baltazar Matos e Catarina Duarte que é filha de Bartolomeu Rodrigues e não Pantaleão Duarte, devido à presença da madrinha Luiza de Matos, que é filha do Baltazar de Matos, portanto tia da Micaela e irmã da Mariana Matos.

Outro documento é o batizado do Leandro Barbosa Matos:

Igreja Nossa Senhora da Apresentação de Irajá bat. 1648/1700, fl.90 img. 97 do Familysearch:

Aos dezenove dias do mês de Março de mil e setecentos anos , batizei e pus os santos óleos a LEANDRO filho legítimo de ANTONIO BARBOSA DE MATOS e de MARIANA DE MATOS. Foram padrinhos Álvaro Coelho de Miranda e Sebastiana de Matos.
João Álvares Maciel

Mais um filho de Mariana Matos tendo como madrinha Sebastiana de Matos que é filha do Baltazar Matos e Catarina Duarte, comprovando não ser ela filha do Pantaleão Duarte.

Mais um batizado:

Igreja Nossa Senhora da Apresentação de Irajá bat. 1703, fl.98 img. 8 no familysearch

“Aos três dias de dezembro de 1703 batizei e pus os Santos Óleos a ANTONIO filho legitimo de ANTONIO BARBOSA DE MATOS e de sua mulher MARIANA DE MATOS. Foram Padrinhos
.............................. e Joana de Matos
Pe.........”

Outro batizado da família Barbosa Matos Coutinho:

Igreja Nossa Senhora da Apresentação de Irajá bat. 1698, fl. 84v img. 90 no Familysearch

“Aos doze dias do mês de novembro de mil e seiscentos e noventa e oito batizei e pus os Santos Óleos a MANOEL filho legítimo de ANTONIO BARBOSA DE MATOS e de MARIANA DE MATOS. Foram padrinhos Manoel Lincon Fragoso e Catarina Duarte”.

Neste a própria Catarina Duarte se apresenta como madrinha do Neto.

Outro documento revelador é o batizado do Antônio Barbosa Matos neto:

Igreja São Nicolau do Suruí (RJ) livro de óbitos 1748, fl.50v imagem 2 no Familysearch:

Aos dezoito dias do mês de agosto de mil setecentos e quarenta e oito anos, nesta Freguesia de São Nicolau de Suruí batizei e pus os Santos Óleos a ANTONIO filho legítimo de LEANDRO BARBOSA DE MATOS e de sua mulher ANA MARIA DA ASSUMPÇÃO naturais e moradores nesta freguesia, neto pela parte paterna de ANTONIO BARBOSA DE MATOS natural de Arrifana de Souza e de sua mulher MARIANA DE MATOS natural do Rio de Janeiro e pela parte materna neto do Capitão FRANCISCO FAGUNDES DO AMARAL e de sua mulher AGUEDA GOMES DE PROENÇA naturais do Rio de Janeiro, foram padrinhos o Capitão Jose Rodrigues Gomes e sua mulher Dona Catarina [Sousa] moradores nesta freguesia de que fiz este assento dia, mês e ano, era ut supra Luiz [Francisco] Nunes

Nota;- Arrifana de Souza, atualmente (desde) 1770 é PENAFIEL (no Porto), também do Porto como os pais da Mariana Matos (Baltazar de Matos de São Nicolau do Porto e Catarina Duarte do Porto).

Finalmente temos:

1 - BARTOLOMEU RODRIGUES (*pv1630, Porto, Pt / †) ∞ pv1630 c/ MARGARIDA DUARTE (*pv1630, Pt / †), Pais de:

2 - CATARINA DUARTE (*pv1650,Porto, Pt. /†17-03-1726 Candelária, RJ ) ∞ pv1666, RJ c/ BALTAZAR MATOS (*pv1644 São Bartolomeu, Porto /†(1726 Rio de Janeiro), “em 1672 como testemunha casamento de Atº Lopes Macedo declara ter 28 anos, oficial de sapateiro natural de S. Nicolau, Porto, Pt”. Pais de: Sebastião de Mattos Carvalho, Antônio de Mattos Duarte, Sebastiana de Mattos Coutinho, Luiza de Mattos, Leonor de Matos e

3 - MARIANA MATOS COUTINHO (*19-9-1679, RJ /†) ∞ pv1700 c/ ANTONIO BARBOSA MATOS (*pv1685 Arrifana de Souza (Penafiel) Porto, Pt/† ). Pais de: Antônio Barbosa Matos Coutinho, Micaela dos Anjos Barbosa, Bernardo Barbosa Matos, Leandro, Manoel, Maria de Jesus, Ana, Josepha e Inácia.

Fragmentos Culturais

Colaboração da pesquisadora Josimeire Baggio

  • LANÇAMENTO - Cidades do Novo Mundo: Ensaios de urbanização e história - Organizado por Fania Fridman
    "Estudo da evolução urbana nas Américas após o descobrimento [...] Os temas presentes neste livro desvendam um amplo leque de novas perspectivas. As cidades de índios [...] a segregação residencial e a periferização [...] a atuação dos agentes do urbanismo francês na colonização da América; [...] a importação de projetos e paradigmas estrangeiros no planejamento urbano latino-americano." Ed. Garamond, 2013.
    http://www.garamond.com.br/produtos_descricao.asp?lang=pt_BR&codigo_produto=529
  • IMIGRAÇÃO - O vale do fim do mundo - Sándor Lénárd - Trad. Paulo Schiller
    "Escrito em primeira pessoa pelo médico húngaro Sándor Lénárd a partir de suas experiências na cidade catarinense de Dona Emma [...] ele conta casos do seu dia a dia de médico, apresenta a sua visão de estrangeiro sobre um lugar desconhecido e discorre sobre os hábitos no novo endereço. [...] Trata-se de uma visão panorâmica do interior da região sul do Brasil em meados dos anos 1960." Ed. Cosac Naify, 2013.
    http://editora.cosacnaify.com.br/ObraSinopse/1485/O-vale-do-fim-do-mundo.aspx
  • HISTÓRIA - Jerusalém - A biografia - Simon Sebag Montefiore - Trad. George Schlesinger e Berilo Vargas
    "Neste livro monumental [...] o historiador britânico Simon Sebag Montefiore explica como e por que peregrinos, místicos, reis, guerreiros e políticos têm disputado entre si o privilégio de possuir essa cidade-símbolo da religiosidade monoteísta." - Ed. Cia das Letras, 2013.
    http://www.companhiadasletras.com.br/detalhe.php?codigo=12927